terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Um Algarve Desconhecido


Escrever para criticar destrutivamente o Algarve já é cliché.

Contrariamente, reescrevi as críticas ao meu Algarve com um extremo orgulho algarvio.

Apresentarei um Algarve desconhecido aos "bimbos" que nos vistam no interminável mês de Agosto.

A cidade onde nasci - Olhão - conta a história de gente do campo e do mar unida para expulsar as tropas de Napoleão, protegendo o país e a identidade algarvia.

Após esta expulsão corajosa, esta gente atravessou o Atlântico no humilde caíque Bom Sucesso, levando a boa nova ao Rei D. João VI, exilado no Brasil.

Aquém das praias, injustamente apelidadas de sujas e com um mar de cartão, existe um barrocal desconhecido: a verde, limpa e autêntica Serra de Monchique; as pitorescas aldeias de Querença, Alte e Salir "plantadas" neste Sul emoldurado de cal.

Neste barrocal, ao invés da rechinante sardinha, podemos degustar o chouriço caseiro acompanhado do copito de medronho.

Contrastando a impessoalidade uniforme da hotelaria apresento-vos a indústria que não influencia as estatísticas do emprego sazonal: a conserveira - economia desconhecida pelos veraneantes.

O apanágio de viver na "cauda" da Europa permite-nos desfrutar das praias no Inverno e usufruir de uma liberdade invernosa; tipicamente algarvia.

Também me alegra imenso o emergir da cultura de Inverno:teatro, revista e noites de Ópera.

No contexto cultural, aplaudo e louvo igualmente os algarvios famosos: a escritora Lídia Jorge, o prosador Manuel Teixeira Gomes e o poeta António Aleixo que escreveram, e escrevem, puro português; sem estrangeirismos.

Porém, a nossa qualidade de vida é "abalroada" no Verão quando nacionais e estrangeiros invadem esta região e plastificam-na. Nesse período, se possível migraríamos para o Norte do país.

Se passar férias no Algarve não vos deleita porquê continuar o massacre?

Ó Algarve ladrilhado de bonitos adjectivos, não és, nem nunca serás de plástico ou de cartão.

Nota: Se ao ler este texto continua a criticar o Algarve, aconselho o desembarque na Cuba de Fidel.

1 comentário:

  1. A lindíssima aldeia de Alte merece sem duvida alguma uma visita. As fontes nesta altura do ano são maravilhosas para passear e fazer um picnic. O site de Alte é www.visitealte.com onde poderão ver quão bela é a aldeia. Boas passeatas

    ResponderEliminar